CSA – Comunidade que Sustenta a Agricultura

Apoio à Formação de Comunidades que Sustentam a Agricultura

O que é CSA?

Comunidades que Sustentam a Agricultura –CSA

CSA vem da expressão em inglês Community Supported Agriculture, que significa Comunidade que Sustenta a Agricultura. Neste modelo, a agricultura é apoiada pela comunidade. O agricultor deixa de vender seus produtos através de intermediários e conta com a participação das pessoas para a organização e financiamento de sua produção.    Quem escolhe fazer parte de uma CSA, deixa de ser apenas um consumidor e se torna um coagricultor. Passa a colaborar para o desenvolvimento sustentável da região estimulando o comércio justo e valorizando a produção local, podendo conhecer de perto de onde vem o seu próprio alimento.

Para formar uma CSA é preciso estabelecer relações de confiança. O agricultor apresenta todas as informações sobre os seus custos e meios de produção e a comunidade assume o compromisso de financiamento, pagando antecipadamente pelos alimentos que serão produzidos. Tudo que for colhido já está pago e é destinado aos coagricultores. Na CSA, não há atravessadores ou o risco de não escoamento da produção. Por isso, o agricultor tem mais segurança de que sua produção já tem destino certo e pode se dedicar à terra com mais alegria e satisfação!

Os alimentos são distribuídos entre os membros da comunidade, entregues em Pontos de Convivência próximos de suas residências, semanalmente. Os coagricultores são responsáveis pelo recolhimento dos seus próprios produtos, de acordo com a cota que possui na comunidade. Uma cota prevê aproximadamente 10 itens contendo folhas, raízes, legumes, flores e frutas.

Para fazer parte de uma CSA os coagricultores assumem o compromisso de pelo menos 6 meses e dividem tarefas de apoio da comunidade, como o cuidado com  os pontos de convivência, a comunicação entre os membros e o controle financeiro mensal. Vivenciar uma CSA é poder experimentar um novo paradigma econômico e social, nutrindo-se através de relações comunitárias baseadas em confiança e diálogo.

Etapas do trabalho da Matres

  1. Planejamento participativo:  a atuação da Matres inicia-se de forma participativa em reuniões e diálogos sobre os desejos e motivações das pessoas envolvidas, bem como da realidade do grupo que demandou o trabalho.
  2. Curso Básico de CSA (16h):  o curso será uma introdução aos princípios filosóficos e ferramentas práticas de formação de comunidades que sustentam a agricultura.
  3. Diagnóstico Participativo: Será realizado um levantamento da capacidade produtiva e das necessidades de rendimento dos agricultores interessados em criar a CSA. O diagnóstico envolve trabalho de campo e oficinas de trabalho para dialogar sobre os resultados.
  4. Proposta de Cenários para a CSA: com base no diagnóstico participativo serão desenhados com o grupo cenários de funcionamento para a CSA.   O trabalho envolve o planejamento de custos da CSA e o valor da cota.
  1. Mobilização de Coagricultores: o trabalho consiste na identificação dos coagricultores, a realização de reunião e palestra de sensibilização,  o acompanhamento da visita aos agricultores,  a elaboração do termo de compromisso e a facilitação de reunião sobre o funcionamento da CSA.
  2. Implantação da CSA:  apoio à elaboração de Termos de Compromisso e organização do primeiro dia de entregas.