Revisão participativa do Marco Regulatório da Pesca Sustentável do Caranguejo-uçá

Matres facilitou o processo participativo para subsidiar a revisão do marco regulatório da cadeia produtiva do caranguejo uçá.

Em 2015 e 2016, oito  oficinas em diferentes regiões do Brasil tiveram por objetivo gerar subsídios à revisão do marco regulatório da cadeia produtiva do caranguejo-uçá.

Nossa equipe no projeto

A equipe da Matres atuou tanto com a moderação das oficinas quanto com a facilitação gráfica em todos os encontros.

Moderadoras:  Andrea Zimmermann e Renata Navega

Facilitadores Gráficos:  Wagner Soares e Rodrigo Bueno

Instituições contratantes:  Conservação Internacional e ICMBio

 

 

 

Envolvimento de todos os atores do setor

Nos encontros estiveram presentes lideranças comunitárias, pescadores e pescadoras, pesquisadores, gestores de Unidades de Conservação, analistas do ICMBio e do Projeto Manguezais do Brasil, profissionais da Conservação Internacional e demais parceiros que atuam com manejo do caranguejo.

Organizado em duas fases, um amplo processo participativo mobilizou comunidades de pescadores em quatro regiões no território brasileiro. Na primeira fase, de diagnóstico participativo, foram levantadas as percepções e os dados do setor relativos à captura, armazenamento, transporte e comercialização do caranguejo uçá, evidenciando as diferenças regionais. Na segunda fase, propostas foram construídas coletivamente.

 

Abrangência nacional

As diferenças regionais em todo o processo da cadeia de valor do caranguejo uçá foram expressas nas oficinas realizadas em quatro regiões. Na primeira e na segunda fases, ocorreram quatro encontros: Florianópolis-SC; Belém-PA; Caravelas-BA; Olinda-PE.

 

Integração

As oficinas fortaleceram a integração entre os participantes por meio de três ferramentas fundamentais: a moderação das conversas, a facilitação gráfica e a contação de histórias. A contação de histórias valoriza o conhecimento dos comunitários, possibilitando que cada um mostre seu dia a dia, suas práticas e desafios. A facilitação gráfica tem motivado interação e dá forma e cor à narrativa com desenhos e esquemas, permitindo valorizar as diferentes realidades.

 

O grau de detalhamento gerado em cada um dos itinerários construídos nas diferentes regiões do Brasil mostra o acerto nessa abordagem integrativa, que tem permitido ricos relatos e registros gráficos que revelam práticas de captura, transporte e comercialização do caranguejo-uçá bastante diversificadas, assim como os problemas e boas práticas delas decorrentes, contribuindo para a discussão do novo marco regulatório das atividades da área.